Principal Blog Página 2

Catalisa ICT divulga a lista de NITs e Laboratórios aprovados. Confira o resultado completo

Acabou a espera! A lista de NITs e Laboratórios aprovados para o Catalisa ICT já está no ar e veja se seu mecanismo foi aprovado! Acesse o resultado completo com os Planos de Inovação recomendados para seu atendimento no seguinte link:
https://drive.google.com/drive/folders/1NlGMEAf9K90wyEhI7pm8Zlv8H5_H7jdo

Fortec Hope Hour: Consulta Pública Nacional sobre ISO 56005 – “Innovation management – Tools and methods for intellectual property management”

Na quarta-feira 27/4 das 18h00 às 19h30 o Fortec receberá a Secretária da Comissão de Estudo Especial de Gestão da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação ABNT/CEE-130, Gisele Villas Boas em mais uma sessão Fortec Hope Hour.

O objetivo é oferecer panorama geral sobre o processo de construção/revisão de normas relacionadas à inovação e esclarecer especialmente sobre a norma que está em consulta pública até 2 de maio de 2022.

Dentre os tópicos a serem abordados estão: Consulta pública sobre a ISO 56005; demais consultas públicas em andamento e os aspectos práticos sobre participação nas consultas públicas e na Comissão de Estudo Especial de Gestão da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da ABNT/CEE.

O evento terá a moderação de Henry Suzuki, membro do conselho consultivo do Fortec e diretor da Axonal e de Paulo Barboni, coordenador da Regional centro- oeste do Fortec e pesquisador e professor da Universidade de Brasília.

Inscreva-se gratuitamente e participe https://t.ly/lW0d

Consulta Pública Nacional sobre ISO 56005 – “Innovation management – Tools and methods for intellectual property management”

Inscrições prorrogadas para cadastro de NITs e Laboratórios do Catalisa ICT

Foi prorrogada a chamada para credenciamento de Núcleos de Inovação Tecnológica – NITs e Laboratórios para atendimento a negócios inovadores no Programa Catalisa ICT. A chamada é realizada pelo SEBRAE em parceria com a Anprotec e com apoio do Fortec.

Os mecanismos selecionados prestarão atendimento aos planos de inovação  selecionados pelo Edital Catalisa ICT – Planos de Inovação.

O programa Catalisa ICT é uma iniciativa do Sebrae que busca acelerar e fomentar negócios inovadores de base tecnológica. O objetivo é alavancar a geração de riqueza e bem-estar social.

As inscrições podem ser feitas até o dia 27/03/2022.

Para NITs, saiba mais e inscreva-se neste link. Para mais informações e inscrições de Laboratórios, clique aqui.

Para mais informações sobre o Catalisa ICT acesse o site https://www.sebrae.com.br/catalisaict.

Fortec promove aula inaugural PROFNIT 2022

O Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec) promove no dia 21 de março às 19h, a aula inaugural 2022 do seu programa nacional de pós-graduação em Rede (Mestrado Profissional) Profnit. Em parceria com a UFAl, a aula será de Rafael Lucchesi, diretor de educação e tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e diretor da rede Sesi e Senai. A aula será sobre: ‘A estratégia como elemento promotor da inovação’.

O evento online que marca o início das atividades acadêmicas do Programa de Pós-graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (Profnit) será transmitido pelos canais da Prograd/Ufal e do Profnit Brasil no Youtube, a partir das 19h.

É necessária inscrição prévia. Saiba mais em: https://profnit.org.br/aula-inaugural-turma-2022/

Catalisa ICT: inscrições abertas e gratuitas para pesquisadores criarem negócios de base tecnológica

Por Mayara Gabrielle

Se você é pesquisador acadêmico e possui um plano de inovação com alto potencial de se tornar um negócio, essa é a sua chance de colocar o sonho em prática. O Catalisa ICT, programa de inovação aberta do Sebrae para negócios de base tecnológica, está com inscrições abertas gratuitamente até o dia 30 de janeiro. A iniciativa vai selecionar 250 planos de inovação que receberão aportes de até R$ 150 mil, entre bolsas e auxílios.

Mestres e mestrandos, doutores e doutorandos, de qualquer lugar do país, que possuam um plano de inovação bem estruturado podem se inscrever. Esse documento deve apresentar uma oportunidade de aplicação de tecnologia, assim como o diagnóstico e a análise do ambiente de inovação; a definição dos objetivos de inovação por meio da priorização do desafio a ser resolvido; as estratégias de inovação; a análise das demandas do mercado para a inovação, os recursos, as ações e o cronograma necessários para implementar a inovação.

O Catalisa ICT é destinado para qualquer segmento do mercado que use a transferência científica para fomentar o empreendedorismo, conforme explica a analista de Inovação do Sebrae, Lara Franco. “Como o próprio nome diz, estamos abertos à inovação, seja na área de saúde, com tecnologias que possam facilitar a vida da sociedade; seja no campo, com mecanismos que impulsionem as produções; ou ainda na cidade, ajudando a solucionar os problemas dos grandes centros, ou em tantas outras”, diz.

De acordo com Lara, o programa foi estrategicamente desenvolvido em parceria com diversas instituições brasileiras de incentivo à pesquisa e inovação. “O Catalisa é um acelerador de negócios, focado especificamente na aproximação das pesquisas acadêmicas ao mercado. Queremos transformar o que está nas pesquisas em produtos, criando empresas de base tecnológica. Para isso mobilizamos alguns parceiros do ecossistema de inovação”, comenta.

Para execução do Catalisa ICT, o Sebrae conta com a colaboração do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI); do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ); do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi); da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec); do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec), entre outras.

Para saber mais, clique aqui.

Fonte: Acritica.net
Clique e leia o artigo original

MCTI promove seminário sobre Política de Inovação nas UPs

Nos dias dois e três de dezembro será realizado no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), seminário que irá debater sobre a importância da instituição das políticas de inovação e de patenteamento pelas Unidades de Pesquisas (UPs) do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e sobre a aproximação dessas entidades com o setor privado.
O evento, organizado pela Secretaria de Empreendedorismo e Inovação (SEMPI), contará com a participação de representantes do ministério, do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC), da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), além de representantes de todas as UPs.
No seminário serão apresentadas a situação atual da política de inovação das UPs e a relevância da aproximação delas com o setor privado. No primeiro dia (02/12), o seminário será aberto pelo Secretário da SEMPI, Paulo Alvim, e pelo Subsecretário de Unidades Vinculadas (SUV), Alex Magalhães. Na sequência, os debates terão a participação do Diretor do Departamento de Empreendedorismo Inovador (DEEMI), Marcos Pinto, do Coordenador-Geral de Auditoria das Áreas de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações da Controladoria-Geral da União (CGU), Marcelo Montalvão, do presidente da FORTEC, Gesil Amarante, da diretora técnica da FORTEC, Juliana Crepalde, e da procuradora chefe da FIOCRUZ, Dra. Deolinda Vieira Costa. No segundo dia ocorrerão debates sobre as propostas sugeridas e dinâmicas para a elaboração e atualização das políticas de inovação e apresentações sobre casos de aproximação e arranjos estabelecidos entre as UPs com o setor privado.

Indicadores de CT&I na América Latina: Conversa com RICYT e OTT México

Definir indicadores de inovação específicos para países em desenvolvimento é considerar as características e grau de maturidade de seus processos de inovação. Tais indicadores são insumos fundamentais para tomada de decisão em políticas públicas setoriais e investimentos. O Fortec, desde 2016, elabora a ‘Pesquisa FORTEC de Inovação’, que reúne informações das políticas e atividades de proteção da propriedade intelectual e transferência de tecnologia por meio de coleta de informações advindas dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) das ICTs do Brasil. Tal pesquisa pode ser comparada a outras realizadas na América Latina, como por exemplo, a executada pela Rede de Indicadores de Ciência e Tecnologia – Iberoamericana e Interamericana- (RICYT) e a Red de Oficinas de Transferencia de Tecnología de México (RED OTT MÉXICO)

Com o intuito de ampliar a troca de experiências e conhecimentos e aperfeiçoar  a metodologia de realização das pesquisas que medem indicadores de inovação, Ana Torkomian, Vice-Presidente do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia e Coordenadora da Pesquisa Fortec de Inovação e Elizabeth Ritter, Diretora de Internacionalização do FORTEC, recebem o Coordenador da Ricyt, Rodolfo Barrere e a Diretora de Indicadores da Rede OTT México para um debate sobre indicadores de CT&I na América Latina para o Hope Hour, evento aberto a comunidade de CT&I de forma gratuita mediante inscrição na Plataforma Sympla: https://www.sympla.com.br/pesquisa-fortec-de-inovacao-no-contexto-dos-indicadores-de-cti-na-america-latina__1425052

O evento será transmitido pelo YouTube no dia 6 de dezembro, das 16:00 às 18:00 e somente os inscritos terão acesso ao link.

Programação:

16h-16h05 – Abertura

16h05 – 16h25 – Apresentação de Rodolfo Barrere (Coordenador da Ricyt)

16h25 – 16h45 – Apresentação de Sara Ortiz (Diretora de Indicadores da Rede OTT México)

16h45 – 17h15 – Apresentação de Ana Torkomian (Vice-Presidente do FORTEC)

17h15h – Debate. Moderadora: Elizabeth Ritter (Diretora de Internacionalização do FORTEC)

Informações adicionais: secretaria@fortec.org.br

Faça parte da Rede de Especialistas da Estratégia Nacional de Propriedade Intelectual (ENPI)

O Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual (GIPI) convida os profissionais gestores de transferência de tecnologia e inovação para formar a rede de especialistas interessados em contribuir com a implementação da ENPI. Existem várias formas de colaboração.

O interessado deve responder o formulário para cadastro. No formulário poderá obter informações sobre as formas de contribuição. A inscrição servirá para organizar os especialistas a partir dos respectivos perfil e interesse em contribuir em temas específicos, seja a título gratuito ou remunerado.

O Fortec faz parte das parcerias do GIPI no âmbito das instituições da sociedade civil e solicita  aos interessados que se inscreverem na rede que informem ao FORTEC (por e-mail envio da cópia da impressão pdf do formulário para operacao@fortec.org.br), com a finalidade de atualizar os dados e criar um banco do FORTEC de profissionais associados com interesse em colaborar com o tema.

Convidamos a preencherem o formulário neste link; é simples e rápido

Enviem cópia para: operacao@fortec.org.br

Contribuição do FORTEC ao “BRICS STIEP-Science, Technology, Innovation and Entrepreneurship Partners WG-Working Group”

Os parceiros BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, estabeleceram um plano de ação visando a enfrentar os desafios para o desenvolvimento econômico, social e ambiental, comprometendo-se a intercambiar conhecimento e boas práticas, por meio de grupos de trabalho entre os quais o “BRICS STIEP-Science, Technology, Innovation and Entrepreneurship Partners WG-Working Group”, dedicado a ciência, tecnologia, inovação e empreendedorismo, no qual  participam a Anprotec, o FORTEC e o INPI.

A contribuição do FORTEC para o “BRICS STIEP-Science, Technology, Innovation and Entrepreneurship Partners WG-Workin Group” teve início em  2019, embora não tenha participado da reunião do STIEP WG realizada em Foz do Iguaçu, em abril de 2019,  por extravio do convite, entretanto, a ata foi recebida pela presidente e nela constavam as atribuições delegadas ao FORTEC.

O intercâmbio de conhecimento e boas práticas no grupo de trabalho em que o FORTEC está engajado inclui estratégias e políticas destinadas ao incremento do conhecimento mútuo e a coordenação da cooperação visando ao progresso econômico e social por meio da inovação baseada no conhecimento técnico científico, do empreendedorismo, da cooperação bilateral e multilateral por meio de plataformas de networking, existentes ou a serem estruturadas, em busca do desenvolvimento sustentável.

Para a 4a. reunião do “BRICS STIEP-Science, Technology, Innovation and Entrepreneurship Partners WG-Working Group” o FORTEC foi encarregado de preparar um enabling framework  para os “BRICS Centers for Technology Transfer Cooperation – BRICS Techtransfer, que seria realizada presencialmente em Moscou, em abril de 2020, mas foi adiado em razão da pandemia COVID 19, tendo sido realizada virtualmente, em Moscou, nos dia 15 e 16 de outubro de 2020 durante a qual o framework foi apresentado.

Baseando-se na experiência de atuação do FORTEC, enquanto Associação estruturada em Coordenações Regionais, aí incluída a implementação do PROFNIT, em rede com uma capilaridade que se estende por todo o território nacional,  o FORTEC, com a concordância do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações-MCTI e do Ministério de Relações Exteriores-MRE o framework proposto pelo FORTEC se resume numa atuação em rede, utilizando as estruturas e plataformas existentes em cada país que integra os BRICS, com a missão, plano de ação e a governança resumidos a seguir:

MISSÃO: O “BRICS Tech Transfer” deve ser um mecanismo para o diálogo e cooperação entre os parceiros BRICS, promovendo o intercâmbio de ações e boas práticas, por meio do estímulo à transferência de conhecimento e tecnologia visando ao incremento da competitividade e a inovação.

PLANO DE AÇÃO:

– Mecanismo para facilitar o desenvolvimento sustentável por meio da inovação;

– Um dos resultados previstos: encorajar a transferência tecnológica entre os países BRICS, reforçando o treinamento dos profissionais, desenvolvimento de plataformas de colaboração entre a academia e empresários, permitindo extensiva e organizada transferência e translação dos resultados inovadores entre os parceiros BRICS;

– Uso do network e plataformas tecnológicas existentes, instrumentos de busca de parceiros externos para a colaboração e início de projetos colaborativos de ciência, tecnologia e inovação.

INCREMENTO DA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

O “BRICS Tech Transfer” buscará criar um ambiente de cooperação destinado a incrementar a proteção da propriedade intelectual, por meio do compartilhamento do gerenciamento de boas práticas e intercâmbio das melhores práticas para:

  • Estimular a proteção de resultados de pesquisas e a redução dos custos da proteção da propriedade intelectual em cada país, com vistas à expansão do escopo da proteção e disseminação de novas tecnologias desenvolvidas nos países BRICS;
  • Sugestão da criação de mecanismos específicos para facilitar a proteção por meio de patentes em cada país integrante dos BRICS.

CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL

Envidar esforços para organizar ações conjuntas visando à realização de cursos e treinamento para gestores e profissionais destinados a:

  • Capacitar recursos humanos no nível da pós-graduação, por meio de programas oferecidos pelos países parceiros;
  • Qualificar profissionais por meio de cursos e programas de curta duração em temas específicos tais como: prospecção tecnológica, busca do estado da técnica em bases de dados de patentes, avaliação, valoração e negociação de tecnologia, entre outros.

EXPANSÃO DAS OPORTUNIDADES PARA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

O intercâmbio de oportunidades de transferência de tecnologia e de resultados de pesquisa realizada nas instituições acadêmicas dos países BRICS por meio de:

  • Expansão do escopo da transferência de conhecimento e tecnologia com a oferta ativa ao mercado de tecnologias protegidas das Instituições de Ciência e Tecnologia, bem como a oferta, em diversos idiomas, de material destinado a disseminar conhecimento e boas práticas entre os parceiros BRICS;
  • Oferta de informação sobre conhecimento e tecnologia disponível para licenciamento e desenvolvimento colaborativo, inclusive por meio de plataformas online;
  • Fomento de oportunidades de cooperação entre os parceiros BRICS, por meio de projetos e boas práticas;
  • Sugestão de mecanismos específicos para facilitar ações conjuntas visando a reduzir o tempo de maturidade e escalonamento de conhecimento e tecnologia surgidas nos parceiros BRICS em projetos de pesquisa colaborativos.

MÉTRICAS

Criação de uma base de dados sobre ativos de propriedade intelectual e de oportunidades de transferência de conhecimento e tecnologia passíveis de compartilhamento entre os parceiros BRICS, com o objetivo de:

  • Compartilhar instrumentos de coleta de dados usados em cada país;
  • Compartilhar métodos de avaliação e comparação estatística sobre inovação e seus impactos.

ESTRUTURA E GOVERNANÇA

As atividades rotineiras dos “BRICS TechTransfer” devem ser gerenciadas por um Comitê Gestor integrado por representantes que têm atuação nacional em pontos focais de uma rede:

  • O Comitê Gestor será integrado por 10 membros, 02 de cada país BRICS;
  • Os membros do Comitê terão mandato de 03 anos, podendo ser reconduzidos,
  • A indicação dos integrantes do Comitê Gestor é feita pelo/a representante oficial de cada país no “BRICS STIEP WG”;
  • Os membros do Comitê Gestor não receberão nenhuma remuneração financeira;
  • O Comitê Gestor se reportará e receberá orientação do “BRICS STIEP WG” para a implementação do “enabling framework”  para os “BRICS Centers for Technology Transfer Cooperation – BRICS”.

O framework dos “BRICS Centers for Technology Transfer Cooperation“, elaborado pelo Grupo de Trabalho do FORTEC, constituído em 2019 e integrado por: Ana Lúcia Torkomian, Elizabeth Ritter dos Santos, Newton Frateschi e Shirley Coutinho, foi apresentado pelas na reunião do BRICS STIEP WG realizada virtualmente em Moscou, em abril de 2020, e sua reapresentação, foi feita por Shirley Coutinho, como representante do FORTEC, na reunião do mesmo GT realizada virtualmente na índia, nos dias 29 e 30 de setembro de 2021 e deverá ser apreciado e, se de acordo, aprovado pelos Ministros representantes dos BRICS, em reunião programada pela o mês de novembro de 2021.

Cumprindo o calendário dos eventos relacionados ao “BRICS STIEP-Science, Technology, Innovation and Entrepreneurship Partners WG-Working Group”, em novembro de 2020, o FORTEC foi convidado e participou, representado pela presidente, Shirley Coutinho, e pela diretora Elizabeth Ritter dos Santos, como palestrantes no evento intitulado “BRICS Technology Transfer Cooperation Conference and Related Activities, realizado em Kunming, China, de forma virtual, no dia 18 de novembro de 2020.

No próximo dia 27 de outubro de 2021, haverá um evento similar ao realizado em 2020, em Kunming, China, de forma mista, e o FORTEC foi convidado e deverá participar virtualmente, em conjunto com representantes do MCTI, sobretudo porque neste evento será feita uma análise do “enabling framework”  para os “BRICS Centers for Technology Transfer Cooperation – BRICS”, elaborado pelo FORTEC e apresentado na reunião do “BRICS STIEP WG”, realizado virtualmente em Moscou em 2020, o qual poderá ser apreciado e aprovado pelos Ministros dos BRICS que têm reunião programada no próximo mês de novembro de 2021.

Shirley Coutinho

20 de outubro de 2021